Estado anuncia fim do fracionamento da vacina contra a Febre Amarela e aconselha vacinação antes do verão


O Governo do Estado do Rio de Janeiro anunciou nesta quarta-feira (17/10) que a partir de agora quem buscar a vacinação contra febre amarela no estado do Rio de Janeiro será imunizado com a dose padrão da vacina de acordo com determinação da Secretaria Estadual de Saúde. A ação visa imunizar cerca de 4 milhões de pessoas e tem como objetivo alcançar a cobertura vacinal de 95% do público-alvo, que atualmente está em 73%.

O apelo do governo é que todos os que não tomaram a vacina devem procurar os postos antes da chegada do verão, período em que pode ocorrer uma maior incidência da doença. Aqueles que já foram imunizados com a dose fracionada, não precisam se vacinar nesta etapa porque já estão protegidos.

Conforme atual recomendação do Ministério da Saúde todos os 92 municípios do estado do Rio voltam a aplicar as doses padrão. Até o momento, segundo dados da Secretaria Estadual de Saúde, já foram imunizadas cerca de 11 milhões de pessoas.

Vale lembrar que os macacos não transmitem a doença, e sim são vítimas dos mosquitos como todos os seres humanos. Os primatas são essenciais para a detecção da doença na área e devem ser preservados. Ao todo, além de São Pedro da Aldeia, outros 17 municípios tiveram casos confirmados da doença em 2018:  Angra dos Reis, Araruama, Barra Mansa, Cachoeira de Macacu, Duas Barras, Engenheiro Paulo de Frontin, Itatiaia, Miguel Pereira, Mangaratiba, Paraty, Petrópolis, Rio de Janeiro, Silva Jardim, Tanguá, Valença, Vassouras, e Volta Redonda.

Para maiores informações, o Governo do Rio disponibiliza o site www.febreamarelarj.com.br.

Quem não se deve vacinar
A vacina não é indicada a bebês menores de 9 meses, pessoas com contraindicações especiais (pacientes imunodeprimidos, com doenças hematológicas graves, entre outras) e grávidas.

Tipos da doença
Há dois tipos de febre amarela – silvestre e urbana. As duas são causadas pelo mesmo vírus e causam a mesma doença, mas se diferem pelo vetor de transmissão. A urbana é transmitida pelo Aedes aegypti e, de acordo com o Ministério da Saúde, desde os anos 40, o Brasil não registra casos deste tipo da doença.



Já a silvestre é transmitida pelos mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabeths, insetos de hábitos estritamente silvestres. A febre amarela silvestre é endêmica em algumas regiões do país, principalmente na região amazônica. Trata-se de uma doença infecciosa febril aguda, transmitida exclusivamente pela picada de mosquitos infectados.

Sintomas
Os principais sintomas da febre amarela são dor de cabeça, febre, amarelamento da pele, dores musculares e articulares, náuseas, indisposição, entre outras manifestações. Em 2018, foram registrados 262 casos de febre amarela silvestre em humanos, com 84 óbitos. Os mosquitos Haemagogus e Sabethes são os transmissores da febre amarela silvestre.

Créditos ao Diário Aldeense




Postar um comentário

0 Comentários