Julgamento de mãe acusada de atirar em filhas no Vinhateiro é adiado

Dayana está presa no Bangu 8 e será julgada dia 08 de junho
O julgamento de Dayana de Oliveira, foi adiado para o dia seis de junho. Ela é acusada de atirar contra as duas filhas gêmeas de um ano, dentro de casa no bairro do Vinhateiro, em São Pedro da Aldeia, na Região dos Lagos do Rio, em abril de 2011.

Segundo o juiz Márcio Dantas, o motivo do adiamento do julgamento teria sido um acidente na Avenida Brasil, no Rio de Janeiro. Uma ambulância da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária caiu de um viaduto em Deodoro, sentido Zona Oeste do Rio. Com a queda, um inspetor penitenciário morreu. Com isso, a ordem foi que todas as viaturas voltassem para a sede da secretaria, inclusive a que trazia Dayana de Oliveira para ser julgada em São Pedro da Aldeia.

Todos os participantes do julgamento foram dispensados. Foram mais de três horas de espera até que a notícia do adiamento do julgamento fosse divulgada. Na saída do tribunal, José de Oliveira, pai de Dayana, disse que acredita que a filha é inocente. Um pouco emocionado, ele declarou que tem quase certeza que a acusada será absolvida.

''Tenho 90% de certeza que ela vai ser absolvida. Tudo que eu vi dela, que eu dei para ela, me motivam a acreditar na inocência dela'', declarou José de Oliveira.

Alexandre de Castro, avô paterno das crianças, assim que soube do adiamento do julgamento, pediu por justiça. Ele acredita que ela é a culpada e quer uma condenção de mais de 20 anos.

''Eu peço que ela fique condenada mesmo. E não quero uma pena branda não. Quero pena pesada pra que ela sinta as consequências do que fez. Minhas netas até hoje estão com sequelas desse dia horrível'', disse.

Por volta das 10h30 da manhã desta quarta (8) o pai das meninas, Alexandre Martins, chegou ao tribunal. "Vamos encerrar e virar a página dessa história. A gente está nessa expectativa de terminar isso logo, pra poder vier em paz. Eu venho como testemunha e espero por justiça", disse.

Relembre o caso

Dayana de Oliveira foi presa suspeita de atirar contra suas duas filhas gêmeas dentro de casa no bairro de Vinhateiro, em São Pedro da Aldeia, na Região dos Lagos do Rio, no dia 25 de abril de 2011.

Na época do início das investigações, a delegada da 125ª DP (São Pedro da Aldeia), Claudia Maria Faissal, admitiu que todos os indícios da investigação apontavam a mãe como a principal suspeita. "São várias coisas, como frases ameaçadoras em mensagens enviadas para o pai das meninas, o tipo de perfil dela, seu comportamento e até mesmo a história que ela conta", explica.
De acordo com Faissal, quando o caso aconteceu, o pai não vivia com as crianças e ficou desesperado com a situação. "A gente acredita que ela fez isso para tentar atingir seu ex-companheiro", contou a delegada, na época.

Segundo Faissal, a mulher alegou, em depoimento, que um homem teria entrado em sua casa para praticar um assalto e atirou contra as crianças. Ainda segundo a suspeita, o homem também a teria esfaqueado. No entanto, de acordo com a delegada, a mulher apresentou apenas uma lesão superficial no toráx, que poderia ter sido feita por ela própria. "Tudo leva a crer que foi ela", disse a delegada em 2011.

Créditos ao G1

Postar um comentário

0 Comentários